Contato

R. Cel. Vicente, 281
Sala 813, 8º andar da Torre Norte -
Centro Histórico - Porto Alegre/RS

programa.petconexoes@poa.ifrs.edu.br

Facebook

Visite e curta a nossa página no Facebook e se matenha informado quanto às ações do PET e outros eventos relacionados ao meio ambiente.

PET INDICA

Dicas de documentários, curtas e filmes relacionados a questões ambientais.

O Mundo sem Ninguém (2008): 

Interessante para pensar a quarentena que vivemos... Com menos pessoas nas ruas, agora vemos que o ar de São Paulo e outras grandes cidades está mais limpo, peixes reaparecem em lagos, animais silvestres transitam nas cidades...  Este documentário mostra o quanto o nosso planeta não precisa de nós, e nos lembra que somos nós que precisamos dele.

Clique no link para acessar o vídeo.

www.youtube.com/watch?v=wwI3wcdbA2g

 

Amazônia: O Despertar da Florestania (2019): 

Com lindas imagens e reflexões, nos incita a repensar como o Brasil, país "verde e tropical" e a sociedade brasileira se relacionam com seus recursos naturais. A maior contribuição para agora talvez seja o conceito de florestania. Mais além da cidadania, a florestania trata de um novo pacto social e natural, em que a humanidade estabelece um novo arranjo com a natureza.

 

 

A Última Hora (2007): 

Nele é mostrado o impacto negativo das ações humanas no planeta Terra, expondo desastres ambientais que foram causados direta ou indiretamente por nossa presença. Traz também a visão  de cientistas e especialistas sobre o assunto, debatendo as possibilidades de reverter a situação de extinção do nosso ecossistema. Essencial para valorizarmos o conhecimento científico.

 

Clique no link para acessar o vídeo.

https://www.youtube.com/watch?v=1J-eh0Vz-s8

 

O verdadeiro custo (2015): 

Para este período de quarentena que vivemos, em que fica evidente a fragilidade dessa economia baseada sempre em "mais" e "maior", este documentário traz uma reflexão bem interessante para repensarmos nossa relação com o que consumimos e, principalmente, descartamos. Deixa evidente também que maiores números (ou menores preços) não significam mais desenvolvimento humano.